Como estão as taxas de financiamento imobiliário em 2020?

Imagem de Alexander Stein por Pixabay 

Texto escrito em 10/09/2020. 


Em meio às turbulências do cenário econômico em tempos de pandemia, reunimos as condições lançadas a partir de março de 2020 para novos contratos, novas linhas de crédito e as atuais taxas de financiamento de diversos bancos.


O que a pandemia gerou de mudanças no financiamento imobiliário em 2020?

Estão entre os benefícios para mitigar o impacto do coronavírus: pausa nas parcelas, renegociação de contratos e prorrogação de prazo do financiamento.

Grandes bancos já anunciaram, por exemplo, a possibilidade de renegociar contratos e aumentar o prazo de operações de crédito ou até de adiar o pagamento de prestações nesse período.

Uma das instituições que mais propôs medidas é a Caixa Econômica Federal, que promete:

• Pausa na cobrança de parcelas de financiamentos por até seis meses, sem multas ou juros adicionais;

• Possibilidade de pagamento parcial das prestações, por 90 dias, para clientes com até dois meses de atraso;

• Liberação antecipada de até duas parcelas, sem vistoria, para clientes que constroem com o financiamento do banco;

• Renegociação de contratos com clientes em atraso (61 e 180 dias), permitindo pausa ou pagamento parcial das prestações.


O congelamento em outros bancos ficou assim:

• Itaú: 120 dias

• Caixa: 90 dias

• Santander: 60 dias

• Bradesco: 60 dias 


Porém, as boas notícias não são apenas para quem já fez um financiamento. Afinal, os incentivos para atrair novos investidores estão em alta!


Carência para novos contratos

Se você comprar uma casa ou um apartamento novo agora, pode ter até seis meses para pagar a primeira prestação.

Essa condição é oferecida pela Caixa, porém outros bancos também anunciaram carências para o crédito imobiliário.

As propostas têm regras diferentes e variam entre financiamentos já contratados e novos, mas os prazos podem chegar a:

Banco do Brasil: 180 dias;

Bradesco: 60 dias;

Itaú: 90 dias;

O Santander havia lançado em outubro de 2019 um período de carência para novos contratos de 180 dias, atualmente é possível assinar o contrato e solicitar congelamento por 180 dias, mas não é automático.



Quais as possibilidades de financiamento imobiliário em 2020?


Financiamento atrelado ao IPCA

Essa modalidade de financiamento imobiliário foi disponibilizada em 2019 pela Caixa e, em tempos de coronavírus, pode ser uma boa opção para comprar um imóvel.

Antes de entender como ela funciona, você precisa compreender o que é o IPCA, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor.

Ele é o indicador oficial da inflação no Brasil. É medido mensalmente pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) para analisar a variação de valores no comércio e, assim, indicar o aumento dos preços de produtos e serviços.

Porém, o IPCA também pode indicar deflação, ou seja, uma queda nos preços.


Agora, vamos falar sobre o financiamento atrelado ao IPCA!

Ele tem taxas que variam acordo com o relacionamento do cliente com a Caixa e com o setor em que esse cliente trabalha (público ou privado). Confira a tabela de juros aqui.

Dessa maneira, os juros oscilam entre 2,95% e 4,95% ao ano mais a inflação, que é medida pelo IPCA. Então se a deflação for mantida, os juros e o custo desse financiamento vão diminuir.

Além disso, essa linha de crédito tem prazo de até 360 meses e permite financiar até 80% do valor do imóvel.

Não é um bom negócio?

E vale lembrar ainda que os salários também são corrigidos pelo IPCA, o que mantém seu poder de compra!


Financiamento corrigido pela Poupança

Dia 09 de setembro de 2020 foi divulgado pela imprensa que o Itaú Unibanco lançou crédito imobiliário corrigido pela poupança.

A nova linha vale apenas para imóveis residenciais e permite o uso do FGTS desde que o financiamento se enquadre nas regras da Caixa.

O banco começará a ofertar empréstimos para compra da casa própria com taxa fixa de 3,99% mais o juro remuneratório da poupança, chegando a um índice atual de 5,39% ao ano. Além disso, estabelece um teto de taxa de juros achegando a 10,16% ao ano.

A linha só vale para financiar a compra de imóveis residenciais. O valor de entrada deve ser de no mínimo 18% do valor de avaliação do bem.


Composição de renda

Geralmente, você pode compor a renda com um familiar ou cônjuge para alcançar o valor exigido do financiamento. A novidade é que o Banco do Brasil está permitindo compor a renda em um total de até 3 pessoas: "No BB é possível compor renda entre cônjuges ou companheiros, ou entre até três proponentes com vínculo de parentesco, consanguíneo ou por afinidade.". Este é outro fator a contribuir com o mercado por gerar mais acesso ao crédito pela população.


Qual o melhor banco para financiamento imobiliário?

Quando a Selic caiu, em julho de 2019, os bancos iniciaram um processo de redução de taxas anuais do financiamento imobiliário.


Confira abaixo como estão as atuais (em setembro de 2020) taxas dos bancos para imóveis de até R$ 1,5 milhão considerando um financiamento pelo período de 360 meses:

Caixa IPCA - de 2,95% a 4,95% + IPCA a.a.

Caixa Taxa Fixa - ​de 8,00% a 9,75% a. a. 

Caixa Pré-fixado +TR - ​6,5% a 7,9% a.a. (420meses)

Itaú Unibanco Poupança - atualmente em 5,39% a.a. 

Itaú Unibanco Pré-fixado - 7,3% a.a.

Banco do Brasil Pré-fixado - 7,95% a.a.

Bradesco Pré-fixado - 7,1% a.a.

Santander Pré-fixado - 6,99% a.a.


Vamos manter este atualizado sempre que houver novidades. :)


Gostaria de saber qual valor de imóvel você consegue financiar?

Descubra aqui todas as regras de financiamento, renda mínima, valor de entrada e como calcular!